"Sentimento de vulnerabilidade", diz vendedor agredido por guardas | A TARDE
Atarde > Bahia > Salvador

"Sentimento de vulnerabilidade", diz vendedor agredido por guardas

Raul Neto levou tapas no rosto dados por um guarda civil municipal

Publicado sexta-feira, 29 de março de 2024 às 18:44 h | Autor: Da redação e Portal MASSA
Raul Neto fez um desabafo nas redes sociais
Raul Neto fez um desabafo nas redes sociais -

O vendedor ambulante, agredido com tapas no rosto por um Guarda Civil Municipal na noite de quinta-feira, 28, no bairro Santo Antônio Além do Carmo, em Salvador, fez um forte desabafo sobre a abordagem. Após o caso ganhar as redes sociais, a Guarda Municipal de Salvador repudiou a conduta e afastou os agentes envolvidos na ação.

Em seu perfil no Instagram, Raul Neto falou que está se sentindo impotente diante da agressão e garantiu que a situação não ficará impune, pois "mexeram com quem vai atrás". "A ficha ainda não caiu totalmente, sabe? Sentimento de vulnerabilidade, de impotência. A gente busca fazer o certo e é atrapalhado de fazer o certo. Eu fui questionado hoje sobre o Alvará, porque eu não tinha licença. Só que na hora eu não fui questionado [pelos guardas municipais]", iniciou o vendedor ambulante ainda abalado com o fato.

Trabalhador conta a sua versão do caso

Em seguida, Raul Neto afirmou que os agentes da Guarda Municipal mexeram em sua mercadoria e retiraram sua banca de coquetel alcoólico da rua sem verificar se ele tinha a licença para comercializar no local.

"A licença é feita para a fiscalização. A pessoa vai chegar para você e vai perguntar se você tem a licença, só que eu não fui fiscalizado, fui hostilizado, agredido, violentado. Me senti em estado de vergonha total. A gente se coloca nesse estado de vergonha, né? Mas a gente não deve ficar envergonhado trabalhando. Acho que esse é o último sentimento que um trabalhador deveria sentir, é o de vergonha, mas os caras colocam a gente nessa situação."


Ambulante fala em Justiça


Por fim, o vendedor ambulante garantiu que o tapa no rosto dado por um agente da Guarda Municipal de Salvador não ficará impune, pois "mexeram com quem vai atrás".

"Só que isso não fica a mercê do tempo, porque eles não mexeram com qualquer um, tá ligado? Eles já mexeram com qualquer um antes, mas dessa vez não. Dessa vez eles mexeram com alguém que vai atrás, tá ligado? Eles mexeram com alguém que vai revolucionar a parada", finalizou Raul Neto.

Agentes afastados

Por meio de nota a Guarda Civil Municipal de Salvador (GCM) disse que "afastou do serviço operacional os agentes envolvidos" na ocorrência no Santo Antônio Além do Carmo na noite desta quinta-feira. "A GCM ratifica o compromisso de apuração do fato envolvendo uma ocorrência no bairro do Santo Antônio Além do Carmo, após uma operação com a Semop".

"Como é de praxe no que se refere a situações como a flagrada no vídeo divulgado, os agentes foram afastados do serviço operacional, passando a cumprir sua escala de serviço desempenhando atividades de natureza administrativas durante o curso do processo. O caso foi levado à Corregedoria da GCM".

Veja o desabafo de Raul Neto:



Veja a ação dos Guardas Municipais:

Publicações relacionadas