Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > BAHIA
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
09/07/2024 às 20:11 - há XX semanas | Autor: Da Redação

BAHIA

Conheça Pêra-manca, vinho que baianos pagaram R$ 3 mil por engano

Quase milenar, iguaria era apreciada por Pedro Álvares Cabral

Vinho custa a partir de R$ 800 no Brasil
Vinho custa a partir de R$ 800 no Brasil -

O alto valor pago por Thalyta Figueiredo, seu namorado e um casal de amigos durante um jantar no restaurante Mistura, em Salvador, tem justificativa: Pêra-manca é um dos vinhos mais tradicionais do mundo. Produzido em Portugal, o rótulo conta uma história de quase mil anos e foi oferecido aos indígenas por Pedro Álvares Cabral.

Produzido na região do Alentejo pela Adega Cartuxa, o vinho teve a primeira garrafa bebida por volta de 1365. Já o nome vem do local onde era plantado, coberto de pedras soltas - pedra manca.

Tempo depois, o vinho tornou-se o favorito da côrte portuguesa. Pedro Álvares Cabral transportava algumas unidades da iguaria quando aportou na Bahia em 1500, oferecendo-o a indígenas.

“Essa história está documentada em carta de Pero Vaz de Caminha ao rei. No primeiro contato, o Pêra-Manca foi uma das oferendas. Por isso, o vinho ganhou um certo misticismo com o consumidor do Brasil”, diz Teixeira, em entrevista ao g1, da Cartuxa.

No século 19 o vinho voltou a ser produzido, mas com uma complexidade maior. Só que uma praga interrompeu a produção do rótulo.

Só em 1987, o herdeiro da família, José António de Oliveira Soares, ofereceu o nome à Fundação Eugénio de Almeida, que passou a utilizá-lo para seu vinho de maior qualidade.

Mais acessível

O vinho branco consumido pelos baianos, da safra 2019, que custou R$ 1500 é um dos mais "acessíveis" do rol da Pêra-manca. Os mais caros e desejados são tintos, que chegam a custar R$ 10 mil.

Os brancos são feitos de uvas selecionadas dentre as melhores produzidas pela vinícola das castas Antão Vaz e Arinto e colhidas entre os vinhedos mais antigos. São plantas que têm produção mais limitada, que deixam os frutos mais ricos e dão vinhos melhores.

“A Arinto tem a função de dar mais frescor, enquanto a Antão Vaz traz aroma, sabor e estrutura. É um vinho muito gastronômico, com sedosidade incrível, com notas florais e de frutas tropicais”, explicou Teixeira ao g1.

Ao ano, são cerca de 80 mil garrafas produzidas, uma tiragem baixa para a demanda. O preço de uma garrafa custa a partir de R$ 800 no Brasil. Os amigos pagaram quase o dobro pela margem de lucro do restaurante.

Assuntos relacionados

Adega Cartuxa história do vinho vinho Pêra-manca vinhos caros vinhos de Alentejo vinhos portugueses

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

Adega Cartuxa história do vinho vinho Pêra-manca vinhos caros vinhos de Alentejo vinhos portugueses

Cidadão Repórter

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

Adega Cartuxa história do vinho vinho Pêra-manca vinhos caros vinhos de Alentejo vinhos portugueses

Publicações Relacionadas

A tarde play
Vinho custa a partir de R$ 800 no Brasil
Play

Passarela de concreto desaba sobre carreta em movimento na Bahia

Vinho custa a partir de R$ 800 no Brasil
Play

Cacique e familiares são presos em aldeia por morte de indígena

Vinho custa a partir de R$ 800 no Brasil
Play

Câmera flagra ataque brutal de pitbull em condomínio na Bahia; assista

Vinho custa a partir de R$ 800 no Brasil
Play

Homem é preso após roubar TV de lanchonete no oeste da Bahia

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA