Delegado da PF fala sobre cenário da disputa pelo tráfico na Bahia | A TARDE
Atarde > Bahia

Delegado da PF fala sobre cenário da disputa pelo tráfico na Bahia

Diego Gordilho explicou como o tráfico influencia o acontecimento de outros crimes

Publicado sexta-feira, 15 de março de 2024 às 07:32 h | Atualizado em 15/03/2024, 08:30 | Autor: Silvânia Nascimento | Portal Massa!
Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa -

Maior parte dos criminosos considerados como principais alvos das forças de segurança da Bahia assume a "função" de líder do tráfico de drogas ou possui algum tipo de envolvimento com esse tipo de delito.  

Leia mais:

>> Chefe de tráfico envolvido na morte de PF morre em confronto

>> "Escobar" era o alvo de ação que terminou em morte de PF

No início deste mês, por exemplo, a maior liderança do tráfico na região de Valéria, foi alvo da 'Operação Responsio', deflagrada pela Polícia Civil. Ricardo de Assis Gomes Oliveira, o “Pablo Escobar”, que também integrava o Baralho do Crime da SSP, foi localizado e acabou morto durante embate com as equipes.

Em entrevista exclusiva ao portal Massa!, o delegado da Polícia Federal, Diego Gordilho explicou como o tráfico de drogas influencia pra os acontecimentos de outros crimes como homicídios, latrocínios, roubos.

"Não gosto muito de generalizar, mas o tráfico de drogas é, sim, uma mazela muito preocupante e danosa para a nossa sociedade porque traz diversas disputas internas e territoriais dentro das organizações criminosas. Além disso, traz outros crimes conexos que são vinculados a essa disputa pela necessidade de dominar espaços estratégicos dentro do estado ou da cidade", declarou.

Devido a esse cenário, o delegado ressaltou que as forças de segurança continuam atentas e executando ações integradas (PF, PRF, MP, PM e PC) de combate ao crime organizado.

"Precisamos acompanhar esse ritmo desenfreado que a criminalidade tem pelas disputas de espaços territoriais pra exercer atividades como o tráfico de drogas, o tráfico de armas e outros crimes relacionados a esta demanda para poder ter dinheiro ilícito. Então, os órgãos de segurança pública têm buscado uma integração muito grande para que possamos dar frente neste combate", completou Gordilho.

Publicações relacionadas