Investigador da Polícia Civil morto foi vítima de latrocínio

Marcelo Ribeiro Falcão, de 51 anos, estava na corporação há 18 anos

Publicado quarta-feira, 13 de julho de 2022 às 08:28 h | Atualizado em 13/07/2022, 08:46 | Autor: Da Redação
Crime aconteceu na madrugada de segunda, em Feira de Santana
Crime aconteceu na madrugada de segunda, em Feira de Santana -

Marcelo Ribeiro Falcão, investigador da Polícia Civil, morto na última segunda-feira, 11, em Feira de Santana, foi vítima de um latrocínio. A informação foi divulgada pelo delegado Roberto Leal, que é coordenador de polícia na cidade. O policial teve o celular e uma arma roubados durante o crime.

"Temos essa confirmação principalmente porque as informações organizadas pelas equipes que estavam em campo, principalmente nas imediações do bairro Novo Horizonte, identificaram que aqueles indivíduos já eram contumaz na prática de roubos, naquela região", disse o delegado.

O inquérito sobre o caso ainda não foi concluído. A Polícia Civil aguarda resultado de laudos periciais e ainda não descarta a participação de mais suspeitos no crime.

"Após algumas informações coletadas, conseguiu-se chegar a participação dos dois, principalmente de um indivíduo identificado, que seria ele o autor dos disparos que ceifou a vida do investigador Marcelo", contou Roberto Leal.

O caso

O investigador da Polícia Civil, Marcelo Ribeiro Falcão, de 51 anos, foi morto a tiros na madrugada de segunda-feira, no Bairro Novo Horizonte, em Feira de Santana. Ele era coordenador do Serviço de Investigação (SI) da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) da cidade e estava na corporação há 18 anos.

Seu corpo foi encontrado próximo ao veículo que conduzia, modelo Jeep Renegade, na Rua Padre Manoel da Nóbrega. O corpo do investigador estava a cerca de 300 metros do veículo e que havia perfuração por arma de fogo em um dos vidros do lado do motorista e marcas de sangue no banco do motorista. 

Ainda na segunda-feira, os dois homens envolvidos na morte do investigador foram abatidos por policiais da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos (DRFR) do município. Foram apreendidas com eles duas armas. 

O material confiscado foi apresentado na sede da Coorpin e levado à perícia no Departamento de Polícia Técnica (DPT). As investigações seguem sendo executada para identificar mais envolvidos com o crime.

Publicações relacionadas