Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > BRASIL
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
04/10/2023 às 20:09 - há XX semanas | Autor: Da Redação

Condenados aprovados em concurso público têm direito a nomeação

O processo pode ser viabilizado, desde que não haja incompatibilidade entre o cargo e o crime

O processo pode ser viabilizado, desde que não haja incompatibilidade entre o cargo e o crime
O processo pode ser viabilizado, desde que não haja incompatibilidade entre o cargo e o crime -

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira, 4, que condenados aprovados em concursos públicos podem ser nomeados e empossados, desde que não haja incompatibilidade entre o cargo a ser exercido e o crime cometido, nem conflito de horários entre a jornada de trabalho e o regime de cumprimento da pena.

O ministro Alexandre de Moraes, relator da representação, explicou que a suspensão dos direitos políticos em caso de condenação criminal não alcança direitos civis e sociais. “O que a Constituição Federal estabelece é a suspensão do direito de votar e de ser votado, e não do direito a trabalhar”, assinalou, ressaltando que a ressocialização dos presos no Brasil é um desafio que só pode ser enfrentado com estudo e trabalho.

No recurso, a Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) contestava decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) que admitiu a investidura no cargo de auxiliar de indigenismo de um candidato aprovado em concurso que estava em liberdade condicional.

O ministro salientou que, mesmo condenado em regime fechado por tráfico de drogas, o candidato havia sido aprovado em vestibular para Direito, em dois concursos de estágio e, por fim, em dois concursos públicos. Obteve então a liberdade condicional, para que pudesse ser investido no cargo público e se reintegrar à sociedade. Quanto à falta de quitação com a Justiça Eleitoral, o relator lembrou que é uma decorrência da pena que ele cumpria.

O voto do relator foi seguido pelos ministros André Mendonça, Edson Fachin, Luiz Fux e Luís Roberto Barroso e pela ministra Cármen Lúcia. O entendimento firmado pelo STF terá de ser observado pelas demais instâncias do Poder Judiciário e pela administração pública.

O ministro Cristiano Zanin abriu a divergência por entender que, a despeito do esforço do candidato, as regras do edital do concurso público precisavam ser observadas. Para ele, ao abrir uma exceção, o Poder Judiciário invadiria a seara legislativa e causaria prejuízo aos candidatos que preencheram todos os requisitos e às pessoas que não concorreram por não cumprir os requisitos do edital.

Assuntos relacionados

concursos condenados Direitos Servidor STF

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

concursos condenados Direitos Servidor STF

Repórter cidadão

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

concursos condenados Direitos Servidor STF

Publicações Relacionadas

A tarde play
O processo pode ser viabilizado, desde que não haja incompatibilidade entre o cargo e o crime
Play

Vídeo: “Duolingo”, “Graviola” e “Abacaxi” saem na mão em festa junina

O processo pode ser viabilizado, desde que não haja incompatibilidade entre o cargo e o crime
Play

VÍDEO: Homem atira contra casal em carro em rodovia de SP

O processo pode ser viabilizado, desde que não haja incompatibilidade entre o cargo e o crime
Play

Pai é preso após ser filmado abusando da filha internada na UTI

O processo pode ser viabilizado, desde que não haja incompatibilidade entre o cargo e o crime
Play

Mulher grávida 'invade' Câmara e exige que vereador reconheça filho

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA