Javelin: a arma antitanque símbolo da resistência ucraniana

Ucranianos já receberam 17 mil armas antitanque de vários países ocidentais

Publicado quinta-feira, 17 de março de 2022 às 06:05 h | Atualizado em 16/03/2022, 23:53 | Autor: AFP
Países ocidentais querem apoiar militarmente a Ucrânia sem entrar em conflito direto com a Rússia
Países ocidentais querem apoiar militarmente a Ucrânia sem entrar em conflito direto com a Rússia -

As imagens de soldados ucranianos portando lança-mísseis Javelin no ombro rodaram o mundo: esta arma antitanque capaz de perfurar as blindagens mais sofisticadas, particularmente útil em um contexto de guerrilha, se transformou no símbolo da resistência ucraniana contra a invasão russa.

Os países ocidentais, que querem apoiar militarmente a Ucrânia sem entrar em conflito direto com a Rússia, multiplicaram as entregas de armas ao exército ucraniano desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro. A isso se somam outros envios feitos nas semanas anteriores à ofensiva. 

Segundo um alto funcionário dos Estados Unidos, os ucranianos já receberam 17.000 armas antitanque de vários países ocidentais. 

Na terça-feira, 15, um dia antes do anúncio programado do presidente americano Joe Biden de apoiar a Ucrânia com 800 milhões de dólares em ajuda adicional para segurança, uma fonte da Casa Branca disse que os Estados Unidos já haviam entregado cerca de 2.600 mísseis Javelin ao país europeu no ano passado. 

Além disso, as forças ucranianas receberam milhares de mísseis NLAW britânicos, AT4 e Carl-Gustav de fabricação sueca, Panzerfaust alemães e Instalaza C90 espanhóis.

'A Santa Javelin'

Não obstante, a arma preferida é a americana Javelin, a tal ponto que um meme que circula nas redes sociais a transformou em um ícone religioso nas mãos de Maria Madalena, uma santa emblemática da tradição ortodoxa. 

Convertida em "Santa Javelin", protetora da Ucrânia, a figura religiosa dispara um desses mísseis nas cores amarela e azul da bandeira ucraniana.

Símbolo do apoio dos Estados Unidos, o aliado mais poderoso da Ucrânia contra a Rússia, o lança-míssil Javelin é bem avaliado por militares devido a suas características técnicas. 

Equipado com duas cargas explosivas, ele pode perfurar os tanques mais sofisticados do mundo, particularmente os tanques russos T-90, cuja armadura explosiva reage ao impacto de um projétil para reduzir seus efeitos e impedir uma perfuração.

A primeira carga do Javelin explode em contacto com o tanque e libera a segunda carga, ainda mais forte, que perfura a blindagem. 

Seu alcance é de 2.500 metros e pode ser utilizado em modo de ataque direto para destruir uma parede ou, quando apontado para cima, para derrubar um elemento que voe em baixa altitude, como um helicóptero. 

Também pode ser utilizado em modo de ataque indireto, quando o míssil se eleva até 160 metros e cai sobre o alvo na vertical, como as lanças de arremesso dos legionários romanos.

É esta trajetória que a converte em uma arma formidável contra os tanques, porque a comporta se abre no teto, onde o veículo é mais vulnerável. 

Como um videogame

Além disso, o Javelin é mais leve que outros sistemas antitanque que necessitam de um tripé, por isso pode ser utilizado apoiado no ombro. 

O projétil é ejetado a poucos metros do atirador antes que o sistema de propulsão seja ativado, o que permite que o soldado passe mais desapercebido e que o armamento possa ser utilizado inclusive do interior de um edifício.

É do tipo "atira e esquece", o que permite determinar o alvo antes de disparar, e depois o projétil é totalmente autoguiado. O atirador pode se proteger inclusive antes de o míssil atingir o alvo. 

Segundo um soldado americano consultado pela AFP, é muito fácil de usar. "Se você já jogou videogame, é capaz de utilizá-lo", explica. 

Além disso, ao contrário de outras armas de mísseis, que são descartáveis após o uso, o Javelin tem uma unidade de controle de tiro, equipada com GPS, câmera infravermelha e zoom motorizado que pode ser reutilizada várias vezes. Nessa unidade é anexado o tubo que aloja o míssil. 

A unidade de comando é valiosa porque "ainda podemos usá-la quando não temos mais munições, para monitorar e observar" o inimigo, assinala o soldado americano. 

Produzido pelos fabricantes americanos Raytheon e Lockheed Martin, o lança-míssil Javelin custa 178.000 dólares cada, e inclui o sistema de lançamento e o míssil, segundo o orçamento do Pentágono para 2021. Cada míssil de substituição custa cerca de 78.000 dólares.

Publicações relacionadas