Na Ucrânia, os animais também tomam o caminho do êxodo

Animais foram abandonados pelos seus donos, que fugiram após a invasão russa

Publicado segunda-feira, 28 de março de 2022 às 23:15 h | Atualizado em 29/03/2022, 00:04 | Autor: AFP
Segundo a ONU, mais de 3,7 milhões de ucranianos fugiram do país desde o início da invasão
Segundo a ONU, mais de 3,7 milhões de ucranianos fugiram do país desde o início da invasão -

Um lobo, uma cabra, corujas e, evidentemente, cachorros e gatos: o "Lar para Animais Resgatados", em Lviv, recebe animais de todo tipo. Todos foram abandonados pelos seus donos, que fugiram da Ucrânia após a invasão russa. 

Um lobo de olhos claros dá voltas em sua jaula, a cabra Bóris toma banho de sol nesses primeiros dias de primavera, um grupo de corujas observa, imóvel, em fila e na sombra, a situação a partir de seu poleiro. 

Uma dezena de gatos de Kiev foram alojados em um edifício anexo. Cachorros, interessados em passear em um parque próximo dali, latem no estábulo chamando pelos voluntários.  

"Dos migrantes que vieram de Kharkiv, Kiev, Mykolaiv e partem para o exterior passando por Lviv, muitos deixam os seus animais", contou Orest Zalypskii, gerente do abrigo que antes da guerra só recebia animais exóticos. 

"Essa guerra reforçou o nosso compromisso", disse o homem de 24 anos. 

Segundo a ONU, mais de 3,7 milhões de ucranianos fugiram do país desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro. 

Mais de dois milhões cruzaram a fronteira com a Polônia, onde a AFP viu muitos amantes de animais com cachorros, gatos, papagaios e tartarugas, para leva-los a um lugar seguro. 

Porém, ao chegar a Lviv, última etapa antes da fronteira polonesa, a 70 quilômetros, alguns deslocados se sentem incapazes de continuar com seus animais. 

Animais "estressados"

Segundo Zalypskii, o albergue recebeu 1.500 animais desde o início do conflito, muitos deles dos migrantes, mas também de abrigos nos "pontos quentes" do leste do país. 

Entre 10 e 20 animais foram recuperados na estação de Lviv, no caos dos primeiros dias da guerra, quando passageiros desesperados invadiam os vagões. 

"Nós não temos um sistema organizado", disse o gerente do abrigo. "Só temos muitos voluntários recolhendo" os animais.

Um cachorro que chegou de uma região assolada pela guerra no leste não saiu de seu abrigo por duas semanas. Um gato, abandonado por seu dono de sete anos, está completamente perdido. 

"Somos mordidos e arranhados", contou Zalypskii. "Os animais estão muito estressados". 

No entanto, os animais abandonados aqui não permanecem muito tempo. Uns 200 foram adotados por habitantes de Lviv, enquanto que muitos outros foram levados por voluntários à Alemanha, à Letônia ou à Lituânia.

Atualmente, não há gatos para adotar, todos estão prestes a partir para a Polônia. 

Não é nem meio-dia e Zalypskii acaba de assinar a terceira adoção de cachorro do dia. O abrigo foi invadido por casais, amigos e famílias que chegam para levar os cachorros para o passeio de fim de semana. 

Publicações relacionadas