Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > política > BAHIA
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
30/04/2024 às 7:30 - há XX semanas | Autor: Da Redação

Alba promulga lei que proíbe cobrança de taxas para emissão de diploma

Emissão documental passa a ser obrigações institucionais, seja o estabelecimento privado ou público

Imagem ilustrativa da imagem Alba promulga lei que proíbe cobrança de taxas para emissão de diploma
-

A cobrança de taxas para emissão de diplomas na Bahia agora foi proibido. Promulgada pelo presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), deputado Adolfo Menezes (PSD), no dia 4 de abril de 2024, a Lei nº 14.664/2024 veta a arrecadação, pelas instituições educacionais, de valores de emissão de registro de diplomas e outros documentos comprobatórios acadêmicos e escolares, no âmbito do Estado da Bahia.

De autoria do deputado Pedro Tavares (UB), foi publicada no Diário Oficial Eletrônico do Legislativo no dia seguinte à promulgação.

A proposta tramitou na Casa com o nº 21.835/2016, tendo sido aprovado no plenário e pelas comissões de Constituição e Justiça; de Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia e Serviço Público; de Defesa do Consumidor e Relações de Trabalho; e de Finanças, Orçamento, Fiscalização e Controle. Seu texto veda a cobrança “da primeira emissão de documentação comprobatória do curso de nível fundamental, médio e superior, bem como da primeira via de documentação comprobatória das atividades acadêmicas oferecidas aos estudantes nelas matriculados ou formados”.

Também define, em seu parágrafo único, como sendo documentação comprobatória os diplomas, certificados, históricos escolares, certidões e declarações acadêmicas e escolares em geral, como os que atestam programas de curso, horários e turno de aulas, estágio, planos de ensino, negativas de débito na instituição e na biblioteca, disciplinas cursadas, para transferência, colação de grau, de conclusão de curso, atestados de natureza acadêmica ou escolar e assemelhados.

Quando apresentou a matéria, Pedro Tavares relatou que faculdades, universidades e escolas, não só privadas como também algumas públicas, cobram taxas absurdas para liberação de qualquer tipo de documento acadêmico, como diplomas, certificados, certidões etc.

“Não há cabimento cobrar pela primeira emissão e o registro dos diplomas, que são o documento fundamental para atestar a conclusão dos estudos. Pela legislação vigente – incluída a Constituição Federal, o formado necessita frequentemente comprovar, na vida civil, o cumprimento desta ou daquela etapa de ensino e seu diploma é o atestado”, anotou o deputado.

De acordo com o parlamentar, esta emissão documental integra o rol das obrigações institucionais, seja o estabelecimento privado ou público.

O texto da lei prevê, em caso de não cumprimento, penalidades às instituições que vão de advertência a multas, de 5 a 20 UPFs em caso de autuação, e de 21 a 40 UPFs, nos casos de reincidência. Determina ainda que as sanções previstas serão aplicadas pelo Programa de Proteção e Orientação ao Consumidor (Procon/BA).

Assuntos relacionados

Bahia Diplomas Educação legislação lei

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

Bahia Diplomas Educação legislação lei

Repórter cidadão

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

Bahia Diplomas Educação legislação lei

Publicações Relacionadas

A tarde play
Play

"Irresponsáveis", diz vereador sobre mulheres que denunciam agressão

Play

Deputados trocam empurrões durante sessão desta terça na Alba

Play

Ex-prefeito tenta derrubar lei de Muniz que proíbe sacolas plásticas

Play

Vídeo: presidente da Câmara de SAJ recebe alta após espancamento

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA