Geraldo Júnior comenta chances de aliança PT-MDB nas eleições 2024 | A TARDE
Atarde > Política > Bahia

Geraldo Júnior comenta chances de aliança PT-MDB nas eleições 2024

Vice-governador tem sido cotado para candidatura à prefeitura da capital baiana

Publicado quarta-feira, 27 de setembro de 2023 às 09:22 h | Autor: Lula Bonfim e Eduardo Dias
Imagem ilustrativa da imagem Geraldo Júnior comenta chances de aliança PT-MDB nas eleições 2024
-

O vice-governador Geraldo Júnior (MDB) comentou nesta quarta-feira, 27, sobre as reais chances de uma chapa majoritária entre PT e MDB nas eleições municpais de 2024 em Salvador. 

Segundo ele, os dois partidos são aliados de longas datas, o que facilita na chegada de um consenso em torno de uma aliança. O MDB lançou o nome de Geraldo como pré-candidato, enquanto o PT o do deputado Robinson Almeida. 

"Primeiro que essas lideranças petistas, grandes lideranças e tradicionais petistas, são amigos de longas datas. Está o exemplo aqui do ex-prefeito de Camaçari, deputado federal, Luiz Caetano. Tive no aniversário dele na última semana em Camaçari, o maior sucesso. E é tão bom quando você vê a população de Camaçari pedir esse presente no aniversário de Luiz Caetano. Caetano deixou uma história naquela cidade, e Ivoneide ajuda na manutenção dessa história. E o povo quer que essa história se repita em 2024", disse ele, citando a amizade com o secretário de Relações Institucionais do governo, Luiz Caetano (PT).

"Eu não canso de falar que eu agradeço o abraço, o acolhimento que recebi do Partido dos Trabalhadores. Independentemente do resultado político. O Partido dos Trabalhadores me abraçou, como se de origem eu fosse, de formação. No último sábado, a liderança desse movimento, conduzida pelo deputado Valmir Assunção e ao lado dele o senador Jaques Wagner, me pediram que estivessem ao lado deles, ao lado dos movimentos sociais, em especial o movimento do MST, tão sofrido nos últimos tempos em função da CPI. E a história não está distrita da amizade ao tempo, a história está marcada por gestos, quem dá gestos quer gestos, e o PT me deu todos os gestos que um ser humano e um político podem ter", continou Geraldo.

O emdebista disse ainda que a relação política entre os membros dos dois partidos se dá por conta de uma relação de amizade. 

"Essa aproximação que você sinaliza é porque dessa relação política surgiu uma relação de amizade, que vai ser próspera e nós vamos nos dedicar sempre a esse momento. Quanto a questão municipal, nós temos um grupo político, nós vamos brigar pela unidade política, a unidade política está deixando a oposição igual a siri na lata. Eles estão preocupados, estão plantando notas, estão fazendo colocações equivocadas', afirmou.

"Ontem o deputado Lúcio Vieira Lima, que é o presidente de honra do meu partido, disse que o candidato derrotado vai perder a justificativa que continua perdendo por 13, porque na próxima eleição em Salvador ele pode perder para o 15, e com o apoio do 13, de grandes nomes como o deputado Robinson Almeida, que é um grande nome e uma história aqui na nossa cidade", pontuou o vice-governador.


Publicações relacionadas

MAIS LIDAS