Vereadora apresenta denúncia ao MP-BA sobre multas da Transalvador | A TARDE
Atarde > Política > Bahia

Vereadora apresenta denúncia ao MP-BA sobre multas da Transalvador

Marta Rodrigues (PT) na petição diz que falta a Transalvador um papel de educar e orientar para o trânsito

Publicado terça-feira, 23 de agosto de 2022 às 18:50 h | Atualizado em 23/08/2022, 19:18 | Autor: Da Redação
A vereadora Marta Rodrigues explica que foi procurada por diversos munícipes sobre a aplicação de multas pela Transalvador
A vereadora Marta Rodrigues explica que foi procurada por diversos munícipes sobre a aplicação de multas pela Transalvador -

A vereadora Marta Rodrigues (PT) apresentou denúncia ao Ministério Público da Bahia (MP-BA) pedindo que sejam investigadas as denúncias sobre o que chamou de “indústria de multas de trânsito promovida pela prefeitura de Salvador”.

Na denúncia protocolada, a vereadora explica que foi procurada por diversos munícipes e que, ao acompanhar as apurações jornalísticas sobre o número crescente de multas no trânsito, entendeu que o caso deveria ser levado ao MP-BA para esclarecer as razões do fato público e notório de que Salvador têm registrado nos últimos anos um número crescente de aplicações de penalidades no trânsito sem que haja explicações plausíveis.

“A capital baiana aplicou R$ 35,2 milhões em multas de trânsito somente de janeiro a maio deste ano, a maior arrecadação dos últimos quatro anos.  O aumento da arrecadação não representa um problema em si mesmo, pois de fato poderia estar associado a uma fiscalização mais eficiente. Porém, a aplicação de multas em Salvador tem chamado a atenção pelos critérios duvidosos na interpretação das infrações apuradas por equipamentos eletrônicos e pela dificuldade e arbitrariedade no julgamento das defesas administrativas”, afirmou a vereadora.

Leia mais - > Salvador já arrecadou R$ 35,2 milhões com multas de trânsito em 2022

Leia mais - > CMS vai fiscalizar como valores de multa da Transalvador são aplicados

Ainda na denúncia, a vereadora Marta Rodrigues afirma que a Transalvador deveria estar mais bem empenhada em orientar e educar o trânsito do que em desumanizá-lo e critica, ainda, a ausência de concursados para o órgão.

“O órgão deveria estar empenhado em educar, mas está passando simplesmente a aplicar multas com o evidente propósito arrecadatório. Fato é que, cada vez menos, vê-se agentes de trânsito na cidade ordenando o fluxo de veículos. O grande problema desse desbalanço entre inserção de tecnologia e investimento em recursos humanos é, sem dúvida, a falta de revisão na interpretação da penalidade”, diz trecho.

Segundo a petista, a prefeitura de Salvador há anos não explica qual o destino do alto valor arrecadado com as multas. Na ação, ela questiona ainda sobre a dificuldade que a população encontra em recorrer das multas. “Há uma enorme dificuldade da população para recorrer a estas multas, um impedimento desleal. Ao mesmo tempo, não vimos intervenções práticas na cidade que tragam mobilidade. Então a pergunta que fazemos é: Para onde vai esse dinheiro? Desde o governo de ACM Neto que não há respeito à Lei da Transparência, num modelo de gestão autoritário que não dá satisfação sobre as contas públicas à população.  Isso é grave”.

Ainda conforme o documento, o primeiro passo do ciclo da “Indústria das multas” em Salvador é fugir da responsabilidade em promover mais educação e menos sanção, diminuindo o número de agentes nas ruas, precarizando o serviço de orientação e fiscalização no trânsito e reduzindo o efetivo de pessoal capaz de revisar as multas aplicadas por equipamentos eletrônicos.

“Com isso, aumenta-se o número de multas aplicadas exclusivamente por equipamentos eletrônicos, colocando no usuário/condutor o dever de buscar a burocracia para explicar-se” ,diz outro trecho.

Leia mais - > Radares descalibrados geram multas indevidas no trânsito

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS