Bolsonarista bate-boca com deputado baiano por CPMI do 8 de janeiro | A TARDE
Atarde > Política

Bolsonarista bate-boca com deputado baiano por CPMI do 8 de janeiro

Vídeo mostra deputado do Ceará e Valmir Assunção em troca de farpas por assinatura de documento

Publicado quarta-feira, 08 de março de 2023 às 07:12 h | Atualizado em 08/03/2023, 07:29 | Autor: Da Redação
Bolsonarista e petista discutem em caso que envolve a CPMI do 8 de janeiro
Bolsonarista e petista discutem em caso que envolve a CPMI do 8 de janeiro -

O deputado federal André Fernandes (PL), do Ceará, aparece em vídeo no qual discute com o deputado baiano Valmir Assunção (PT) com relação à assinatura da CPMI do  8 de janeiro, que está relacionada com os atos golpistas causados por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro contra os Três Poderes. O material foi publicado nas redes sociais do cearense na terça-feira, 7. 

No vídeo, o bolsonarista questiona o petista sobre a não assinatura de um documento que está em mãos, que estaria relacionado com a comissão de inquérito do caso. “Bora assinar? Assina a CPMI. O PT não quer investigar? O PT não quer a verdade sobre o 8 de janeiro. Não vão assinar a CPMI”, disse o parlamentar do PL.  Fernandes ainda citou uma suposta tentativa de articulação do governo Lula (PT) contra o avanço da CPMI, que teria oferecido R$ 60 milhões em emendas para a retirada de nomes do documento.

Em resposta, Valmir Assunção lembra que a pressão do bolsonarista no caso está relacionada com a pressão que a silga e Bolsonaro têm sofrido da Receita Federa, em caso que envolve a tentativa de entrada ilegal no país com joias que seria destinadas para a ex-primeira-dama, Michelle Bolsonaro. 

“A pressão é a Receita Federal, rapaz. Você, bolsonarista, explica a pressão do governo Bolsonaro [ com relação a Receita]. Você não explica”, rebateu o petista, ao considerar que a postura do deputado do PL não passa de “nuvem de fumaça” sobre o caso que envolve as joias e à Presidência,  na gestão do ex-chefe do Executivo da sigla.

A oposição tinha conseguido angariar 222 assinaturas de parlamentares. No entanto, ainda existe um movimento de saída de deputados e senadores.  

 

 

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS