Bolsonaro afirma que sem ele o Brasil "estaria no buraco"

Presidente ainda afastou críticas e disse que economia vai bem

Publicado quinta-feira, 07 de julho de 2022 às 13:52 h | Atualizado em 07/07/2022, 13:54 | Autor: Da Redação
O presidente também falou da PEC dos Auxílios
O presidente também falou da PEC dos Auxílios -

Mesmo com a crescente inflação no Brasil, com aumento da cesta básica, da luz e dos combustíveis, o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta quinta-feira, 7, que a situação econômica do país vai bem e que se não fosse por ele e seu trabalho, o país "estaria no buraco". A declaração foi feita em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada. 

“Não é prometendo o paraíso para todo mundo, que a esquerda sempre promete, que a gente pode sonhar com ter um Brasil melhor. O Brasil não é mais do futuro, é do presente. E se não sou eu, esse Brasil já estava no buraco”, afirmou ele em vídeo publicado no YouTube por um canal simpatizante.

Antes dessa declaração, Bolsonaro relatou a recente queda do valor dos combustivéis, que tiveram leve recuo após seguidos e fortes aumentos. O projeto do governo federal limitou o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis, gás natural, energia elétrica, comunicações e transporte coletivodos estados a 18%, com subsídio a partir de um valor pago pela União. 

“Os combustíveis estão caindo bastante. Ninguém me culpa agora, né? Cai combustível, cai inflação também. Não temos desabastecimento, não temos problemas internos, não temos terrorismo aqui, não tem mais o MST. Nós botamos o MST lá embaixo sem usar da violência, titulando terras pra eles”, disse Bolsonaro. 

O presidente também falou da proposta do governo federal aprovada pelo Senado e que tramita na Câmara para aumentar o Auxílio Brasil, dar um voucher de R$ 1.000 para caminoneiros, entre outros benefícios. A 'PEC dos Auxílios' também tem sido chamada de 'PEC Kamikaze' pelo risco aos cofres públicos, que já é investigado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). O pacote deve custar R$ 41,25 bilhões.

A PEC dos Auxílios será votada nesta quinta-feira, 7, pela Câmara dos Deputados. Caso aprovada sem modificações, a proposta será promulgada. Em ano eleitoral, ela aumenta o valor do Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600 e a zerar a fila de beneficiários do programa social. 

Também estão previstas: a ampliação do Vale-Gás, para o equivalente ao preço de um botijão por bimestre, e a criação de um voucher mensal de R$ 1 mil, para caminhoneiros abastecerem com diesel. A União também se propõe a ressarcir estados que aderirem à gratuidade para idosos nas passagens de transporte público.

Publicações relacionadas