Ato em Salvador defende mandato de Renato Freitas, de Curitiba

Único vereador negro de Curitiba, petista foi cassado por acusação de quebra de decoro, quando repudiava assassinato do congolês Moïse Kabagambe

Publicado sexta-feira, 29 de julho de 2022 às 08:35 h | Atualizado em 29/07/2022, 08:35 | Autor: Da Redação
Renato Freitas esteve em atividade com a Executiva do PT, vereadores, deputados, movimentos sociais, movimento negro, blocos afros e movimentos sindicais
Renato Freitas esteve em atividade com a Executiva do PT, vereadores, deputados, movimentos sociais, movimento negro, blocos afros e movimentos sindicais -

A Secretaria de Combate ao Racismo do PT Bahia (SCRPTBa) promoveu, durante a semana, atos de repúdio ao que a legenda chamou de perseguição política sofrida pelo vereador de Curitiba Renato Freitas, cassado em junho por acusação de quebra de decoro por suposta interrupção de culto em igreja na capital paranaense, quando, junto com outros manifestantes, repudiava a morte de Moïse Kabagambe, congolês morto em janeiro no Rio de Janeiro. 

O ato com o vereador curitibano em Salvador aconteceu logo após sessão gratuita do documentário "Renato Freitas - Um de nós", do cineasta argentino Carlos Pronzato, na Saladearte, no Corredor da Vitória. 

As atividades fizeram parte de uma agenda antirracista em apoio a Freitas realizada em Salvador, que começou na terça-feira, 26, e terminou na quinta-feira, 28. “Estar em Salvador foi de extrema importância para mim, não só do ponto de vista político, mas de reconhecimento ancestral e espiritual. Estive em Pernambués, bairro negro, marcado pela resistência, conheci parlamentares negros atuantes, movimentos negros fortes, pujantes e empoderados, que são referência para os jovens negros, o Olodum, os Filhos de Gandhi, diversos sindicatos, especialmente o Sindilimp, tudo isso me fortaleceu e significa muito para continuar a luta”, disse Freitas.

Sobre o processo de cassação, o vereador alegou que o Brasil dá uma demonstração de evolução contra o racismo. “Curitiba se acha fora do Brasil, se acha de fato uma república, e mantem uma postura vergonhosa e racista contra mim porque acreditam que o Brasil não está assistindo ou que não podem ser constrangidos, mas o que está acontecendo é o oposto, o Brasil está vendo, está cobrando de Curitiba um comportamento minimamente civilizado e essa postura é fora do racismo”, disse o único vereador negro eleito na capital paranaense em 2020.

Proponente da agenda com o vereador na Bahia, o secretário de Combate ao Racismo do PT Estadual, Ademário Costa, acredita que é uma missão nacional a defesa do mandato de Freitas. “Compreendemos que lutar contra a cassação e em defesa do mandato de Renato é um reflexo da nossa posição política e ideológica em favor da presença do povo negro nos espaços do poder e fundamental para combater as forças reacionárias do fascismo”, disse.

Ainda para Ademário, a perseguição ao Renato é a mesma perseguição ao ex-presidente Lula. “É a demonstração de que determinados setores da sociedade não aceitaram nossa presença nos espaços de poder com a nossa pauta, nossa história, nossos corpos e nossa raça. Mas ainda assim, de forma resiliente, somos resistência”, destacou.

Além das presenças na caminhada em Pernambués e na exibição do documentário "Renato Freitas - Um de nós", no CSU do bairro e na Saladearte, o vereador de Curitiba também esteve em atividade com a Executiva do PT, vereadores, deputados, movimentos sociais, movimento negro, blocos afros, movimentos sindicais e diversas outras lideranças da capital e de outras cidades da Bahia.

Publicações relacionadas