Bolsonaro diz que não há corrupção em seus ministérios

Presidente não se manifestou sobre gravação do ministro da Educação que diz priorizar verbas para pastores

Publicado quarta-feira, 23 de março de 2022 às 19:21 h | Atualizado em 23/03/2022, 19:21 | Autor: Da Redação
Imagem ilustrativa da imagem Bolsonaro diz que não há corrupção em seus ministérios
-

Em agenda no Ceará nesta quarta-feira, 23, o presidente Jair Bolsonaro (PL) sem citar especificamente o ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse que tentam igualar o seu governo com as gestões que o antecederam. De acordo com Bolsonaro, o governo está, desde que chegou ao cargo, sem nenhuma denúncia de corrupção nos ministérios.

Na terça-feira, dia 22, o jornal “Folha de S. Paulo”, divulgou um áudio no qual o titular do Ministério da Educação diz priorizar a destinação de verbas da sua pasta para as necessidades de dois pastores: Gilmar Santos e Arilton Moura. Ribeiro disse ainda que faz isso a pedido do próprio presidente.

No mesmo dia, o ministro divulgou nota negando favorecimento aos pastores e refutando a informação de que Bolsonaro tivesse feito algum pedido com essa finalidade. De acordo com ele através do comunicado, os recursos do ministério obedecem a lei orçamentária e critérios técnicos do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE). No áudio divulgado pela “Folha”, no entanto, ele diz: "A minha prioridade é atender primeiro os municípios que mais precisam e, segundo, atender a todos os que são amigos do pastor Gilmar".

Nesta quarta-feira, 23, o Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu fiscalizar a estrutura do MEC responsável pela transferência de recursos a municípios. Além disso, o procurador-geral da República, AugustoAras, anunciou vai pedir que o Supremo Tribunal Federal (STF) abra um inquéritopara investigar as suspeitas de crimes envolvendo o ministro. Dentre as diligências previstas, Aras quer tomar o depoimento de prefeitos sobre suposto pedido de propina feito por um dos pastores, Arilton Moura, em troca de interceder na liberação de recursos pelo MEC. O procurador-geral também deve tentar obter cópia de gravações envolvendo o caso. 

Publicações relacionadas