PT e partidos aliados pedirão ações do TSE contra violência política

Legendas entrarão com uma representação na Corte eleitoral nesta terceira-feira, 12

Publicado segunda-feira, 11 de julho de 2022 às 18:14 h | Atualizado em 11/07/2022, 18:14 | Autor: Da Redação
Lula, Alckmin e dirigentes de partidos que apoiam suas candidaturas fazem minuto de silêncio por assassinato de petista
Lula, Alckmin e dirigentes de partidos que apoiam suas candidaturas fazem minuto de silêncio por assassinato de petista -

Os presidentes dos partidos que compõe a aliança de apoio da chapa Lula-Alckmin acordaram por entrar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta terça-feira, 12, com uma representação para cobrar ações “enérgicas” contra a escalada de violência política nas últimas semanas. Estiveram presentes representantes de PT, PC do B, PSB, PSOL, PV, Rede e Solidariedade.

As legendas pretendem ainda, solicitar ao TSE que seja federalizada a investigação do assassinato, no sábado, 9, do militante petista Marcelo Arruda, em Foz do Iguaçu (PR), por um apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), que entrou na festa de aniversário de Arruda, que tinha como tema o Partido dos Trabalhadores, gritando “Aqui é Bolsonaro” e “Mito”.

O responsável pelos tiros que vitimou o líder petista de Foz do Iguaçu foi o agente penitenciário Jorge Guaranho. Ele também levou vários tiros, está hospitalizado e teve a sua prisão preventiva decretada pela Justiça.

De acordo com o presidente do Psol, Juliano Medeiros, um dos representantes das siglas de apoio a Lula disse em entrevista a coluna “Igor Gadelha” do Metrópoles pedirão ao TSE maneiras de coibir as violentas ações de bolsonaristas na campanha.

“O que se discutiu foi uma representação ao TSE para que sejam tomadas medidas para coibir energicamente qualquer incitação de violência política. Deve ser levada ao TSE amanhã pelos presidentes dos sete partidos que compõe a aliança com Lula”, disse Medeiros.

Em seu Twitter, o represente do Rede no conjunto de partidos que se reuniu nesta segunda, declarou em seu Twitter, que Bolsonaro precisa ser responsabilizado por ações como essa. E que a representação no TSE deve ter o objetivo de "responsabilizar Jair Bolsonaro por discursos de ódio e incitação à violência". "As instituições, candidatos e partidos comprometidos com a democracia têm a obrigação de reagir ao avançar da barbárie bolsonarista", escreveu.

Publicações relacionadas