Estudantes do Sul da Bahia desenvolvem sabonete cicatrizante | A TARDE
Atarde > Saúde

Estudantes do Sul da Bahia desenvolvem sabonete cicatrizante

Produzido a partir do óleo residual de babosa e penicilina, produto é ainda item higiênico sustentável

Publicado segunda-feira, 15 de abril de 2024 às 05:14 h | Autor: Da Redação
O projeto tem como principal objetivo contribuir com questões relacionadas à saúde
O projeto tem como principal objetivo contribuir com questões relacionadas à saúde -

Na diversa vegetação que o Brasil possui, encontramos plantas que, além de terem características anti-inflamatórias, são cicatrizantes. Uma equipe do Centro Estadual de Educação Profissional Álvaro Melo Vieira, localizado em Ilhéus, Sul da Bahia, desenvolveu um sabonete a partir do óleo residual de duas dessas folhas com propriedades curativas, a babosa (Aloe Vera) e a penicilina (Alternanthera brasiliana) com intuito de beneficiar pessoas que sofrem com problemas de cicatrização lenta.

Segundo o orientador do projeto, professor Paulo Pires, o produto estimula a reparação mais rápida dos tecidos lesados. Para isso, o primeiro passo na fabricação do sabonete é extrair o óleo das plantas e, em seguida, combiná-los com base de glicerina, soda cáustica, água e aromatizantes em medidas adequadas, resultando em um produto com pH apropriado para uso e boa capacidade de formação de espuma.

Ainda de acordo com a equipe, o projeto ainda está em fase de aprimoramento. “A alternanthera brasiliana, conhecida por “terramicina”, “penicilina” ou “perpétua do mato”, é uma das plantas medicinais utilizadas no tratamento de diversas patologias, com ação curativa comprovada, porém o nosso produto, a partir do óleo residual da folha dessa planta, ainda não foi testado para o uso medicinal”, explica o orientador.

O projeto, que demonstra ser uma alternativa sustentável, tem como principal objetivo contribuir com questões relacionadas à saúde. “O aproveitamento do óleo residual durante a confecção do item diminui o impacto ambiental causado pelo descarte inadequado do produto”, diz o professor Paulo, que conta com apoio da coorientadora, professora Margarete Correia e dos estudantes Moniquy Tolentino, Jeancarlos Chagas e Miguel Almeida.Viuge

Bahia Faz Ciência

A Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) estreou no Dia Nacional da Ciência e do Pesquisador Científico, 8 de julho de 2019, uma série de reportagens sobre como pesquisadores e cientistas baianos desenvolvem trabalhos em ciência, tecnologia e inovação de forma a contribuir com a melhoria de vida da população em temas importantes como saúde, educação, segurança, dentre outros. As matérias são divulgadas semanalmente, sempre às segundas-feiras, para a mídia baiana, e estão disponíveis no site e redes sociais da Secretaria. Se você conhece algum assunto que poderia virar pauta deste projeto, as recomendações podem ser feitas através do e-mail [email protected].

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS