Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > cultura > LITERATURA
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
01/05/2024 às 18:03 - há XX semanas | Autor: Matheus Calmon

BIENAL BAHIA

60 anos do golpe de 64 é tema de mesa com Zélia Duncan na Bienal

Mesa 'A história nos transforma em outras' teve ainda a presença de Heloisa Starling

Debate estava previsto para acontecer na 'Arena Jovem', mas devido a falta de energia durante a manhã e falta de ar-condicionado, ocorreu no 'Café literário'
Debate estava previsto para acontecer na 'Arena Jovem', mas devido a falta de energia durante a manhã e falta de ar-condicionado, ocorreu no 'Café literário' -

Os 60 anos do golpe militar de 64 e personagens marcantes deste período da história do Brasil foram tema da mesa 'A história nos transforma em outras', que contou com a historiadora Heloisa M. Starling e a cantora e autora Zélia Duncan.

O debate estava previsto para acontecer na 'Arena Jovem', mas devido a falta de energia durante a manhã e falta de ar-condicionado, ocorreu no 'Café literário'.

Zélia e Heloísa se conheceram quando a cantora foi convidada a fazer um discurso no Supremo Tribunal Federal
Zélia e Heloísa se conheceram quando a cantora foi convidada a fazer um discurso no Supremo Tribunal Federal | Foto: Denisse Salazar | Ag .A TARDE

Durante a conversa, elas abordaram o assunto e mesclaram com suas experiências e trabalhos sobre o tema. Heloísa é historiadora, cientista política e tem uma série de livros sobre períodos diversos da história do Brasil. Atualmente ela está lançando a série de livros 'Máquina Do Golpe'.

Heloísa é historiadora, cientista política e tem uma série de livros sobre períodos diversos da história do Brasil
Heloísa é historiadora, cientista política e tem uma série de livros sobre períodos diversos da história do Brasil | Foto: Denisse Salazar | Ag .A TARDE

Já Zélia Duncan é compositora, cantora, escritora e em 2023 lançou o disco '7 mulheres pela independência do Brasil'. Em 2020 a artista lançou o livro 'Benditas Coisas Que Não Sei Dizer'. Ela ressaltou a importância do exemplo na formação do ser humano e frisou que a curiosidade é crucial para o aprendizado'.

Zélia Duncan é compositora, cantora, escritora
Zélia Duncan é compositora, cantora, escritora | Foto: Denisse Salazar | Ag .A TARDE

"Uma das coisas mais importantes que a gente pode desenvolver na gente é a curiosidade. Nos faz querer aprender e as histórias atravessam a gente de várias maneiras. No meu livro falo de música e sensações a partir das música, essa arte portátil que de repente te toma. O que mais amo na minha vida são histórias e as palavras", disse a artista.

Zélia e Heloísa se conheceram quando a cantora foi convidada a fazer um discurso no Supremo Tribunal Federal, junto a outras mulheres. Ela contou ainda que parou e refletiu como poderia contribuir com o país diante do cenário e ódio e desavença.

"Me perguntei como contribuir como artista. Falei com muitos colegas, pensadores e chegou um convite para falar no STF. Dez mulheres foram convidadas e eu fui uma. Minha fala era sobre cultura. Quando cheguei, uma das mulheres era a Heloísa. Ela escolheu para falar a baianinha Urânia Valéria", disse.

Heloísa, por sua vez, lembrou que sua dissertação de mestrado foi sobre o golpe de 64 e, anos depois, surgiu a ideia de escrever um livro para ajudar o público a entender não somente o período, mas o golpe em si.

"Encontrei histórias muito importantes sobre ditadura, mas sobre o golpe não tem. Então, teria que voltar a entender o golpe. Nós vivemos o 8 de janeiro, tentativa de golpe. Então, me preocupei em contar a história de como foi armado, executado, planejado, de golpe de 64. E como queria, e ainda quero, contar essa história. Se a gente souber como é, podemos enfrentar", disse.

Heloísa pontuou ainda sobre a dedicação a produzir a obra de forma que diversos públicos possam aprender sobre o assunto abordado.

"Pensei em fazer de maneira que não seja só pra universidade, que seja acessível às pessoas. Um sobrinho diz que está igual uma série. Tento construir, contar a história e chamar o leitor para refletir. Descobri que não tem nada mais difícil, escrever para contar é muito difícil. Estou tentando contar a história do golpe como se fosse um folhetim. Tive preocupação também, pois o livro está disponível online em um preço que quero que as pessoas possam comprar"

Zélia, que nasceu em 64, ressaltou que jamais acreditou que sentiria o risco do país viver o período novamente.

"Nos últimos anos, nunca pensei que ia sentir esse bafo do golpe, do facismo. Os extremos continuam ali tentando nos levar a um lugar onde espero que não voltemos. Eu nasci em 64. Quando nasci, já estava pronto".

Leia mais

Após apagão, programação da Bienal segue normalmente

Rita Batista comenta ataques de haters de Davi: “Parte do trabalho"

Alunos e professores da rede estadual apresentam produções literárias

Assuntos relacionados

Bienal Bahia bienal do livro Heloisa M. Starling Zélia Duncan

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

Bienal Bahia bienal do livro Heloisa M. Starling Zélia Duncan

Cidadão Repórter

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

Bienal Bahia bienal do livro Heloisa M. Starling Zélia Duncan

Publicações Relacionadas

A tarde play
Debate estava previsto para acontecer na 'Arena Jovem', mas devido a falta de energia durante a manhã e falta de ar-condicionado, ocorreu no 'Café literário'
Play

“Flica é a mãe de todas as feiras literárias da Bahia”, diz curador

Debate estava previsto para acontecer na 'Arena Jovem', mas devido a falta de energia durante a manhã e falta de ar-condicionado, ocorreu no 'Café literário'
Play

Programação da Flipelô

Debate estava previsto para acontecer na 'Arena Jovem', mas devido a falta de energia durante a manhã e falta de ar-condicionado, ocorreu no 'Café literário'
Play

Felica: festa literária começa neste domingo de forma online e gratuita

Debate estava previsto para acontecer na 'Arena Jovem', mas devido a falta de energia durante a manhã e falta de ar-condicionado, ocorreu no 'Café literário'
Play

Festa Literária da Caramurê aborda o livro como instrumento de transformação

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA