Lídice da Mata repudia vídeo que compara ministros da Corte e jornalistas a prostitutas

Publicado sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020 às 10:19 h | Atualizado em 28/02/2020, 10:35 | Autor: Da Redação

O Supremo Tribunal Federal (STF) está investigando um vídeo que compara ministros da Corte e jornalistas a prostitutas. O caso também é acompanhado pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, e a apuração do conteúdo está sob a responsabilidade do ministro Alexandre de Moraes.

Em entrevista ao Isso é Bahia, na Rádio A TARDE FM, a relatora da CPMI e deputada federal, Lídice da Mata (PSB), foi questionada sobre o fato que gera repúdio à disseminação do conteúdo mencionando a jornalista da Folha de S. Paulo, Patricia Campos Melo, como principal alvo.

"Aquele jornalista que se coloca contrário à ação do governo, a base governo imediatamente produz uma desinformação a respeito dessa pessoa e começa num processo de sanha, replicada por algum dos grandes, a se disseminar rapidamente. Esse vídeo eu vi, é uma coisa absolutamente sórdida e realmente eu acho que é um momento da sociedade brasileira se unir para se colocar contra esse tipo de ação”, afirmou a deputada.

Durante a entrevista, a relatora da CPMI também relatou que o colegiado teve conversas com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tratar do combate às notícias falsas nas eleições deste ano. "As fake news têm uma ação extremamente deletéria, nefasta na sociedade brasileira em tempo normal, e que se intensifica e, digamos, se agrava no processo eleitoral. O TSE tomou medidas após eleição de 2018, chegando inclusive a uma resolução para essa próxima eleição visando impedir os disparos em massa", contou Lídice.

Publicações relacionadas