Senador rebate ofensas de Carlos Bolsonaro e provoca: "Precisa sair do armário"

Publicado sexta-feira, 18 de junho de 2021 às 15:49 h | Atualizado em 18/06/2021, 15:52 | Autor: Da Redação

Vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) rebateu as ofensas e insinuações sobre a sua sexualidade, feita pelo vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro.

Em transmissão ao vivo para o canal "Salve", do Porta dos Fundos, na plataforma Twitch, o líder da Oposição no Senado disse que a tentativa de desqualificá-lo por parte de Carlos e o pai já se tornou uma "obsessão", e sugeriu que o vereador se liberte e saia do "armário".

"O Carlos... vocês sabem o quanto esse moço me xinga, eu acho que ele tem uma paixão reprimida por mim. Eles tinham que se libertar, sair do armário, eles seriam mais felizes assim. Ele e o pai, [Jair] Bolsonaro, têm essa obsessão por nós", debochou Randolfe. Nos bastidores, já existem piadas com a sexualidade do filho do presidente, apelidado de 'Carluxo'.

Um dos senadores que tem se destacado na Comissão, Randolfe diz que precisa evitar levar para a investigação qualquer rusga pessoal ou problema com a perseguição do clã Bolsonaro. Ele já foi chamado pelo próprio presidente de "gazela saltitante e fala fino", em queixa de Bolsonaro sobre os rumos da CPI.

Randolfe listou as características ditas por Bolsonaro, mas ressaltou que só passar a se preocupar quando for chamado de "miliciano", em clara provocação às relações da família com policiais acusados de participar de milícias, como Adriano da Nóbrega.

"Gazela saltitante e fala fino... Pode continuar. Se começar a me chamar de miliciano eu vou ficar preocupado. Se alguém vier me acusar de ter comprado uma mansão de R$ 6 milhões em Brasília com salário de senador, aí o negócio vai pegar", afirmou Randolfe na transmissão.

Publicações relacionadas