adblock ativo

Wagner rebate ACM Neto: "O povo vota de cima para baixo"

Publicado às | Atualizado em 16/10/2021, 13:28 | Autor: Luciano Barreto
Senador também falou sobre segurança pública - Foto: Rafaela Araújo / Ag. A Tarde
Senador também falou sobre segurança pública - Foto: Rafaela Araújo / Ag. A Tarde -
adblock ativo

O senador Jaques Wagner (PT) rebateu, em entrevista coletiva neste sábado, 16, recentes falas do ex-prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), sobre o pleito estadual para 2022. Wagner disse que as eleições são nacionais e não será o ex-prefeito que irá decidir sobre a nacionalização ou não, e sim "o povo". A resposta veio logo após ACM Neto afirmar que não pretende nacionalizar o debate em busca de um maior cacife político ancorado em alguma das candidaturas à presidência da República. Neto não citou nomes, mas se referia à possível "casadinha" entre Lula (PT) e Wagner.

Segundo Wagner, basta lembrar das últimas eleições. "Ganhei em 2006 quando ninguém achava que era possível, Rui ganhou e ninguém achava. Alguns as vezes escrevem: mas agora vocês têm oposição. Paulo Souto não era oposição? Era governador e ia para a reeleição, contra Rui em 2014. É só lembrar da eleição que João Henrique ganhou. Todos faziam aposta que ia dar Imbassahy e Neto. Ficar adivinhando eleição antes não dá. Pesquisa quantitativa representa muito pouco. Temos um patrimônio nacional e baiano muito grande, o ex-prefeito fica dizendo que não quer nacionalizar. Não é ele que decide, é o povo. A primeira pessoa que é escolhida é o presidente. A eleição é nacional. O povo vota de cima para baixo", disse o senador.

Ao lado do presidente do PT da Bahia, Éden Valadares, Wagner provocou ACM Neto sobre seu histórico no estado. "Ele não tem candidato e não tem patrimônio na Bahia, pode ter em Salvador. É só colocar a bola para rolar. O pessoal discute idade, eu sempre prego que precisamos rejuvenescer. O presidente do PT [Éden] tem menos de 40 anos. A realidade se impõe, não é uma questão de disputa de idade. Eu posso ser mais velho, mas quero saber quem modernizou a Bahia. Ele representa muito mais o passado", afirmou.

Segurança Pública - Perguntado sobre a situação da Bahia no quesito segurança pública, uma das pastas mais preocupantes para o próximo governador eleito, Wagner mais uma vez rebateu as críticas feitas por ACM Neto.

"Eu não vejo muita credencial nesse ex-prefeito para falar em segurança. Quando assumi em 2006 e eles governavam, policiais não tinham arma, os carros caindo pelas tabelas. Comparem a estrutura de inteligência. Rui fez uma licitação de R$ 800 milhões, e estamos apostando em tecnologia, com reconhecimento facial. É um sistema que avisa, que uma face está passando em tal lugar. Não está bem, eu não conheço nenhum lugar. As armas continuam, os grandes produtores não aceitam colocar chip, gps. A Cocaína você faz num fundo de quintal, um fuzil não. Para bandido ter arma, ele comprou em algum lugar. A questão é muito maior. Ninguém resolve com uma varinha de condão. Eu não sei qual a proposta dele, mas quando cheguei a estrutura estava no chão", disse.

adblock ativo

Publicações relacionadas