Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > bahia > SALVADOR
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
06/05/2024 às 15:21 - há XX semanas | Autor: Leo Moreira

DENÚNCIA

Pai de Joel diz que PMs tentaram ouvir depoimento: “Seguiram a gente"

Ex-policiais são julgados nesta segunda-feira, 6, pela morte do menino

Capoeirista se emocionou ao lembrar do dia do crime: "Vocês mataram meu filho"
Capoeirista se emocionou ao lembrar do dia do crime: "Vocês mataram meu filho" -

O capoeirista Joel Castro, pai do menino Joel, morto durante uma ação policial, em novembro de 2010, no Nordeste de Amaralina, não conseguiu conter as lágrimas durante seu depoimento, na manhã desta segunda-feira, 6, no Fórum Ruy Barbosa. A sessão julga acusados pelo crime, o ex-policial militar Eraldo Menezes de Souza e o tenente Alexinaldo Santana Souza.

Ele relembrou o dia em que o filho perdeu a vida. Na frente dos sete jurados, Joel relatou que o garoto ainda 'alertou' para os disparos. "Foi chuva de tiros. 'Pai, isso aí é tiro’, disse o menino. Eu ainda falei: 'deixa para lá e vamos dormir'. E aí, foi aquele ‘bum’ no chão’. O meu [filho] mais velho saiu gritando 'socorro, socorro’".

Morador do bairro desde criança, o capoeirista contou que logo após o filho ser baleado, ele tentou procurar ajuda com os policiais, mas não teve êxito. "Rapaz, vocês mataram meu filho. Eu saí, desci a escada, e eles com a arma apontada e mirando para mim. Eu gritando: ‘socorra meu filho’”, se emocionou ele, reafirmando que a ajuda só teria vindo através de vizinhos.

"Mestre Ninha", como é conhecido, ainda denunciou que policiais militares teriam tentado ouvir o depoimento dele e o seguiram quando ele foi até a Delegacia Especial de Repressão aos Crimes contra a Criança e o Adolescente (DERCCA). "No instante, apareceram viaturas seguindo a gente". Ainda segundo ele, um policial civil precisou conter a entrada desses agentes no local.

Joel foi a quarta testemunha de acusação a ser ouvida na manhã desta segunda. Ao todo, incluindo defesa e acusação, 14 pessoas serão ouvidas. A previsão é que o julgamento dure dois dias.

Leia mais:

Caso Joel: "Se afaste, se não vou atirar", diz primeira testemunha

"Vi ele caindo", relata irmã de menino Joel durante testemunho

Assuntos relacionados

direitos humanos HOMICÍDIO julgamento segurança pública testemunho emocional Violência Policial

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

direitos humanos HOMICÍDIO julgamento segurança pública testemunho emocional Violência Policial

Cidadão Repórter

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

direitos humanos HOMICÍDIO julgamento segurança pública testemunho emocional Violência Policial

Publicações Relacionadas

A tarde play
Capoeirista se emocionou ao lembrar do dia do crime: "Vocês mataram meu filho"
Play

Cenário de destruição: ônibus colidem na Avenida Tancredo Neves; vídeo

Capoeirista se emocionou ao lembrar do dia do crime: "Vocês mataram meu filho"
Play

Saiba quem é Marvin, ‘fiel’ do traficante mais procurado de Itaparica

Capoeirista se emocionou ao lembrar do dia do crime: "Vocês mataram meu filho"
Play

Após manutenção, Linha 2 do metrô volta a operar em Salvador

Capoeirista se emocionou ao lembrar do dia do crime: "Vocês mataram meu filho"
Play

CCR disponibiliza ônibus 'de graça' após pane na Linha 2 do metrô

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA