Setor de Serviços teve queda recorde em abril

Publicado quinta-feira, 18 de junho de 2020 às 06:00 h | Atualizado em 17/06/2020, 23:53 | Autor: Marjorie Moura

Os resultados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados ontem, são os piores das série histórica iniciada em 2011. No Brasil, a queda recorde foi de 11,7%, e na Bahia, em abril, foram registradas reduções inéditas tanto em relação a março (-21,0%) quanto a abril/19 (-29,9%). “Esse é o terceiro recuo consecutivo e o mais intenso da série histórica, iniciada em janeiro de 2011”, destacou o IBGE.

De março para abril quase todas as 27 unidades da Federação apresentaram recuos no volume de serviços prestados: houve crescimento somente em Mato Grosso (9,0%). No país como um todo, os serviços acumulam queda de -4,5% de janeiro a abril de 2020, com resultados positivos apenas em Rondônia (2,7%) e no Amazonas (0,8%).

No acumulado nos 12 meses encerrados em abril, os serviços também seguem em baixa na Bahia (-6,2%). Um desempenho bem inferior ao nacional (-0,6%) e o 4º recuo mais profundo entre os estados. Na Bahia, a queda ante março (-21,0%) foi a 3ª mais intensa entre os estados; na comparação com abril/19 (-29,9%), o estado teve 2ª maior queda do país. Até abril, o ano de 2020 vem sendo o pior para os serviços na Bahia desde 2011, com queda acumulada de -12,3%, a maior da série histórica da PMS e o recuo mais intenso do país.

Pelo 2º mês consecutivo, em abril, todas as cinco atividades de serviços recuaram na Bahia ante o mesmo período de 2019, puxadas pelos serviços prestados às famílias (-75,7%) e transportes (-33,5%). Ambos os segmentos tiveram quedas recordes no estado desde 2012.

Turismo

Serviços ligados ao turismo também tiveram quedas recordes na Bahia em abril: -63,1% em relação a março e -72,6% ante abril/19. Estas atividades ficaram abaixo do verificado no país como um todo (-54,5% ante março e -67,3% na comparação com abril/19).

Serviços prestados às famílias na Bahia tiveram a maior retração dentre as atividades (-75,7%). Foi o pior resultado para o segmento desde o início da série histórica da PMS, em 2011, refletindo a perda de receita de restaurantes e hotéis, que se aprofundou no mês de abril. O impacto negativo no resultado geral dos serviços baianos, no mês, veio de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio. A atividade também mostrou uma queda recorde no estado (-33,5%) e é a que tem mais peso na estrutura do setor de serviços.

Publicações relacionadas