adblock ativo

Preço da gasolina varia até 25% em São Paulo

Publicado terça-feira, 28 de novembro de 2006 às 14:14 h | Atualizado em 28/11/2006, 14:14 | Autor: Agencia Estado
adblock ativo

O preço da gasolina sofre uma variação de até 25,01% na capital paulista. Segundo levantamento da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Bicombustíveis (ANP), do período de 19/11 a 25/11, o consumidor que abasteceu o carro no bairro de Itaquera pagou R$ 2,159, enquanto os motoristas das regiões de Higienópolis ou Santa Cecília desembolsaram R$ 2,699 por litro.

Desta forma, para completar um tanque de 40 litros, por exemplo, o consumidor pode gastar de R$ 86,36 a R$ 107,96.

O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo (Sincopetro) alerta, porém, aos consumidores, que os produtos vendidos por esses postos podem sofrer adulterações.

Segundo o diretor do Sincopetro Hélio Fiorin, "é impossível um posto vender gasolina em São Paulo por R$ 2,15". E completa: "Alguma coisa está errada: ou adulteração ou sonegação." Ele explica que o custo da distribuição às revendedoras varia de R$ 2,15 a R$ 2,25. Fiorin ressalta, no entanto, que não são somente os postos que vendem o combustível mais barato que registram indícios de adulteração.

Conforme Fiorin, as maiores irregularidades e, conseqüentemente, o preço mais baixo, concentram-se nas zonas Leste e Sul de São Paulo.

O diretor do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom) Wellington Sandim salienta que não existe milagre na composição do preço dos combustíveis. "As margens, normalmente, são estreitas, tanto para o distribuidor quanto para o revendedor. Quando se vê uma margem extremamente diferente, alguma coisa estranha tem ali."

Sandim também acredita que o preço muito abaixo da média seja um forte indício de irregularidade. "É impossível ter uma diferença de 25% e muito menos do empresário vender abaixo do custo. A característica da nossa atividade é capital intensivo, margem baixa e volumes altos", afirma, ressaltando que "a fonte de gasolina no Brasil só existe uma e que todos pagam o mesmo preço".

Desde 20 de novembro, o governo alterou o porcentual de álcool misturado à gasolina, de 20% para 23%. Conforme a previsão do governo, essa medida determinaria uma redução do preço da gasolina. O último levantamento da ANP constata essa redução, apontando uma redução do preço médio da gasolina na capital de R$ 2,426 (entre 12 e 18 de novembro), para R$ 2,385.

adblock ativo

Publicações relacionadas