Em meio a polêmicas extracampo, Brasil enfrenta o Peru na Arena Pernambuco

Publicado quinta-feira, 09 de setembro de 2021 às 06:06 h | Atualizado em 08/09/2021, 21:17 | Autor: Eduardo Cohim

Sim... A bola vai rolar entre Brasil e Peru nesta quinta-feira, 9, na Arena Pernambuco, às 21h30 – pelo menos é o que tudo indica (se vai terminar com apito final, já é outra história). Mas o assunto da semana continua sendo o jogo que não acabou entre Brasil e Argentina. Não só ele, como toda a novela envolvendo os jogadores que atuam na Liga Inglesa, a Fifa e as delegações sul-americanas, Ela segue envolvente e com capítulos pendentes.

Na terça, a CBF confirmou a ausência do zagueiro Marquinhos para o próximo compromisso. Ele estava suspenso contra a Argentina, mas como o jogo nunca chegou a acontecer realmente, a dúvida ficou no ar se o gancho foi cumprido ou não. Como ainda não houve retorno do Comitê Disciplinar da Fifa sobre o assunto, a CBF entendeu que seria melhor liberá-lo. Éder Militão, Lucas Veríssimo, Miranda e Léo Ortiz são os disponíveis para a zaga.

No mesmo dia, Tite bateu o pé sobre a presença dos jogadores brasileiros que atuam na Inglaterra para a próxima data Fifa – a convocação será já na próxima semana, dia 17. Para o treinador, os ‘ingleses’ devem estar presentes e parece que a própria Fifa ouviu, já que na manhã de qiarta, 8, anunciou uma punição aos clubes – e consequentemente aos atletas – que não liberaram os jogadores para as seleções. Firmino, Gabriel Jesus, Alisson, Fabinho, Ederson, Raphinha, Thiago Silva e Fred estarão de fora da próxima rodada do Campeonato Inglês.

O Zenit, da Rússia, também foi punido por ter chamado Malcom e Claudinho de volta e não conta com a dupla para o final de semana e nem para a primeira rodada da Liga dos Campeões, contra o Chelsea. Apenas Richarlison foi ‘poupado’. A justificativa é que a CBF tem boa relação com o Everton, principalmente pelo clube ter liberado o ‘Pombo’ para a Olimpíada.

Alô! E o jogo?

A verdade é que em meio a tanta polêmica extra-campo, envolvendo justamente o clássico mais famoso entre seleções, Brasil contra Peru acabou se tornando um assunto secundário. Não só por conta disso, é claro. O fato de a Seleção Brasileira estar ‘nadando de braçada’ na Eliminatória para o Qatar – sete vitórias em sete jogos, com 16 gols marcados e apenas dois sofridos – também é um fator, já que o duelo desta quinta se tornou praticamente um teste. Pouco deve influenciar na qualificação ou não do Brasil para a Copa.

Na coletiva de imprensa com o lateral Danilo, prevaleceu a pauta mais chamativa, e em quase nenhum momento os peruanos receberam atenção. Não que seja injusto. Se em algum momento nesta década eles demonstraram potencial – como na classificação para a Copa de 2018 – esse não tem sido o caso agora. A seleção andina ocupa atualmente apenas a sétima posição da Eliminatória, com dois empates e duas vitórias em oito partidas.

Além disso, neste século o Peru só venceu uma vez o Brasil por jogos oficiais, na fase de grupos da Copa América de 2016, eliminando a Amarelinha. Pela Eliminatória, não só nunca venceu, como também só marcou um gol na Canarinho em terras brasileiras em toda a história.

De mais interessante mesmo, fica o aspecto teste do jogo. Observar como Tite em meio a tantas ausências – e mau desempenho contra o Chile – se adapta, dessa vez já com mais tempo de treino e entrosamento deste grupo alternativo, que tem nomes muitas vezes pedidos pelos torcedores. A tendência é que o técnico mande a campo o mesmo time que iniciou o confronto contra a Argentina. Já Gareca deve repetir o time peruano considerado ideal – com Cueva, mas sem Guerrero, está suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

Publicações relacionadas