Presidentes de Conquista e Doce Mel se posicionam contra retorno do futebol

Publicado sábado, 20 de junho de 2020 às 06:00 h | Atualizado em 21/01/2021, 00:00 | Autor: Alex Torres*

O especial do Portal A TARDE com os times do interior do estado segue para a sua quarta semana. Na última edição, foi a vez de falar do Atlético de Alagoinhas e Jacuipense, times que irão brigar para representar bem a Bahia nas Série D e C dos campeonatos nacionais em 2020, respectivamente. Para dar sequência aos trabalhos, neste sábado, 20, vamos nos aproximar ao sul do estado e falar de Doce Mel e Vitória da Conquista.

Em contato com os presidentes do Bode e do Azulão, Ederlane Amorim e Eduardo Catalão, ambos revelaram que a situação financeira das equipes se agravou por conta da pandemia do coronavírus. Por conta disso, as agremiações tiveram que paralisar temporariamente as suas atividades por completo.

"Na verdade, nós não estamos nem falando em futebol. Porque estamos em uma área de risco extremo, é uma cidade que percentualmente tem o maior potencial de contagio na Bahia e isso dificulta bastante qualquer tipo de pensamento nesse sentido agora [...] O que estamos tentando fazer é ajudar a população de qualquer forma, com algumas ações. No entanto, o clube em si está fechado e sem nenhum tipo de atividade", contou o presidente da equipe de Ipiaú.

Atualmente, a respectiva cidade possui um coeficiente de incidência superior a 1.100 casos por 100.000 habitantes, sendo considerada a mais afetada em todo o estado da Bahia. Gestor do time de Conquista, Ederlane também revelou as dificuldades causadas pelo novo coronavírus. A chegada da pandemia fez com que o time perdesse parceiros importantes em sua receita e, por isso, também precisou suspender todas as atividades.

Mesmo com as dificuldades, o bode tem feito o possível para honrar os seus compromissos financeiros com funcionários e colaboradores. "Desde o dia 17 de março, quando paramos todas as nossas atividades, o clube vem convivendo com essas dificuldades enormes mas tentando equilibrar. Fizemos acordo com nossos funcionários e cumprimos com todos. Todos os funcionários, atletas, comissão, departamento administrativa estão quitados com o clube".

Situação dos Elencos

Uma das soluções para sobreviver mediante a crise, foi cortar vínculo com boa parte do grupo de jogadores. Atualmente, o Vitória da Conquista só possui seis jogadores em seu elenco, porque estes já tinham um contrato mais longo. No início do período de quarentena, em março, o Doce Mel já tinha revelado ao A TARDE a decisão de ter liberado todo o seu plantel.

Questionados quanto a uma expectativa de a bola voltar a rolar nos gramados baianos e brasileiros, a resposta dos dois presidentes foi unânime: "Não temos ainda nenhuma previsão de retorno". De acordo com eles, a situação ainda é considerada muito delicada para se estar pensando na volta do futebol ou não.

Retorno do Futebol

"Não temos condição de pensar nisso (retorno do futebol) agora. Seria até desumano estarmos comentando sobre futebol agora, talvez pela localidade onde estamos situados", criticou Eduardo Catalão, presidente do Doce Mel.

O gestor do Bode também se posicionou contrário ao retorno, principalmente uma vez em que a situação da doença no país ainda não é considerada estabilizada e a curva epidemiológica ainda está crescendo.

"Já divulgamos nosso posicionamento e somos contra esse retorno precipitado, queremos preservar a saúde dos envolvidos. Sabemos que existe uma demanda burocrática a ser seguida, com relação a calendário e campeonatos. No entanto, é mais fácil adequar isso do que ter que perder vidas. Vamos seguir as recomendações dos órgãos competentes", rebateu Ederlane.

Por falar em calendário, a situação do Conquista ainda se torna um pouco menos flexível. Com um bom desempenho no Baianão de 2019, a equipe se classificou para a quarta divisão do Brasileirão deste ano. Assim, é bem possível que a agremiação enfrente alguns problemas, principalmente para compor o elenco que irá disputar o torneio.

"Tem alguns clubes que estão voltando, mas que eu sou completamente contra. Mesmo sendo clubes estruturados, essa não é a realidade da maioria dos times do Brasil. Trazendo para a nossa realidade, não tivemos condições de anteciparmos treinamentos, não temos nem elenco para isso, já que a maioria dos nossos contratos era até o fim do Baianão, em abril", lembrou o presidente do Conquista.

Segundo o presidente do Doce Mel, na realidade atual que vive o clube, é difícil continuar pensando no futebol em 2020. Para ele, a possibilidade só não foi cogitada pelas entidades, por ser um evento que 'movimenta muito dinheiro'.

"Diante de tudo que tem acontecido, a única coisa que vemos nesse momento é esperar amenizar um pouco, para poder sentar, discutir e pensar em reorganizar o futebol. Se formos levar ao pé da letra, algo que não envolvesse tanto dinheiro e investimento, já estaria adiado para o ano que vem", afirmou.

Calendário das equipes

Sem calendário após o fim do Baianão, Catalão afirmou que só resta para a equipe Ipiauense esperar o posicionamento de entidades competentes para completar as duas rodadas que restam. Vice-lanterna da competição, com apenas 4 pontos, o Doce Mel não tem mais chances de se classificar para a segunda fase, após a conclusão das duas rodadas que ainda restam.

Logo acima do Azulão, está o Bode. No entanto, a equipe gerida por Ederlane Amorim possui sete pontos, sendo que quatro distanciam o Bode do G-4. Apesar da tarefa difícil, o presidente do time ainda acredita na difícil missão. "Vamos passar por essa situação de renovação quando formos orientados para tal. O Baianão ainda falta duas rodadas e existia, mesmo com dificuldade, de classificação para a segunda fase".

Na Série D, o Vitória da Conquista encontra-se no grupo A4, junto com Potiguar, Itabaiana, Freipaulistano, Coruripe, Central, ABC e Jacyobá. O torneio tinha data de estreia inicial para 3 de maio, mas foi adiado ainda sem data definida.

*Sob supervisão da editora Keyla Pereira

Publicações relacionadas