Pandemia e Bolsonaro, os que viraram tudo de cabeça para baixo

Publicado sexta-feira, 10 de setembro de 2021 às 06:04 h | Atualizado em 09/09/2021, 21:05 | Autor: [email protected]

Ao longo da história muito já se viu de protestos contra o governo e a polícia baixando o pau. Agora o que se viu foram protestos partindo do governo e a polícia, simpatizante da causa, não aderiu, mas também não bateu.

Eis o fato: decididamente a pandemia da Covid e Bolsonaro no poder produziram um momento único nas nossas tradições culturais em geral e políticas em particular. Nos dois casos, o mundo virou ao avesso.

Na pandemia, sacudir o corpo andando e ralando na multidão ao som de um artista qualquer, antes uma alegria, virou maldição. Abraçar e beijar, idem. Com Bolsonaro, tem até greve de caminhoneiros, que prejudica a todos, para ajudar o governo, com a Confederação Nacional dos Transportes (CNT) se dizendo contra.

Medo — Essa miscelânea de maldades juntando pandemia e Bolsonaro provocou medo até em banqueiros e empresários. E entre eles, surge o temor de que o clima piore ano que vem, ano eleitoral, ponderando até o receio de degringolar  para a incerteza se o clima de ódio extrapolar e resultar num assassinato de Lula, por exemplo.

Outro subproduto que inquieta: até agora, a um ano do pleito, o presidente não tem partido. Isso pode resultar em duas situações perversas para o país. Primeiro, quanto mais sem partido, mas dependência do Centrão, mais o preço sobe. E segundo, a balbúrdia geral provocada pelo vírus, o outro, o sem vacina.

O DEM e o PSL a um passo da fusão, podem virar novo partido

O DEM, que é presidido nacionalmente por ACM Neto, e o PSL, que em 2018, no embalo da onda Bolsonaro, tornou-se o maior partido do Brasil, estão a passo da fusão. Somariam 83 deputados hoje.

Todas as tratativas já foram feitas, estado a estado, e a ideia é disputar o governo em 80% deles. Há um porém: na fusão pura e simples mantendo nome ou número, o 25 do DEM e o 17 do PSL, os deputados atuais podem sair, mas não entrar. E se for um partido novo, com nome e números novos?

Se considerado novo poderia receber deputados novos, bom para compensar as saídas dos bolsonaristas.

Mas fusão ou novo partido, se a união colar, a nova agremiação já nasceria poderosa. Teria disparadamente mais tempo de rádio e tevê, o dobro do PT, que é o segundo, e o Fundo Partidário, a preço de 2020, R$ 1,7 bilhão, levaria quase R$ 700 milhões. Se for para R$ 4 bi, leva R$ 1 bi. É tudo que ACM Neto gostaria.

‘Zeis já!’ entra na cena urbana

Movimentos sociais articulados com professores e estudantes da UFBa, UCSal e UEFS lançam hoje a Campanha ZEIS JÁ! – pelo Direito à Moradia e à Cidade.

Zeis quer dizer Zona Especial de Interesse Social. O grupo listou, conforme o PDDU de 2016, 234 áreas em Salvador que se qualificam como tais. A briga é bem focada: a garantia de  espaços na cidade  para as moradias populares, agora e no futuro.

Eduardo, o de Brumado, e a  expulsão ‘amigável’

O ‘convite’ para o prefeito de Brumado, Eduardo Vasconcelos, deixar o PSB após ter participado das manifestações pró-Bolsonaro no 7 de setembro, uma forma educada de dizer ‘caia fora que você se tornou inconveniente’, muito se deve ao apreço pessoal que a deputada federal Lídice da Mata tem pelo dito cujo.

Eduardo foi candidato a vice de Lídice na disputa ao governo em 2014 e os dois fizeram sólida amizade, nunca abalada nem mesmo pelas pisadas de bola dele, primeiro querendo ‘militarizar’ todas as escolas, segundo brigando com unhas e dentes pela volta às aulas em outubro do ano passado.

Agora, não deu. Mesmo com Lídice pegando leve, a pressão interna no partido é grande.

REGISTROS

UFPD em marcha

Projeto do deputado baiano Daniel Almeida (PCdoB)  teve como relatora a também baiana Lídice da Mata PSB), foi aprovado na Comissão de Educação criando a Universidade Federal do Piemonte da Diamantina, em Jacobina. É um primeiro passo, mas já anda. 

Vacina Express

Leo Prates, secretário de Saúde em Salvador, criou o Vacina Express, para vacinar idosos acima de 80 anos com a 3ª dose em casa. Ele diz que baixar a idade para a 3ª dose depende do prazo que o cidadão tomou a 2ª dose, no mínimo seis meses. O 1º vacinado na Bahia foi em 19 de janeiro.

Quase normal

Mucugê, na Chapada Diamantina, está voltando ao velho normal com cautela. Realizou no feriadão o 8º Desafio Moutain Bike, reunindo 500 ciclistas do país. Mas a saída e a chegada, que era no centro da cidade, mudou para a Fazenda Sol Paraguaçu.

Posse na APMS

Toma posse quinta próxima  (10h30) na presidência da Associação dos Procuradores do Município de Salvador (APMS) a procuradora Maria Amélia Maciel Machado. Ela substituirá Eduardo Hassan, que ficou lá dois mandatos.

Publicações relacionadas