Nova galeria abre portas na Chapada com mostra coletiva Gênesis

A curadoria e as obras criam uma experiência diferente das de outros espaços culturais

Publicado domingo, 17 de abril de 2022 às 07:15 h | Atualizado em 16/04/2022, 21:22 | Autor: João Gabriel Veiga*
Fachada da galeria  na Villa Barriguda, Campos de São João (Palmeiras), Chapada Diamant
Fachada da galeria na Villa Barriguda, Campos de São João (Palmeiras), Chapada Diamant -

Entre o tradicional e o contemporâneo, a Chapada Diamantina ganhou este mês um espaço cultural ligado ao moderno e urbano. Localizada aos pés do Morro do Pai Inácio, em Campos de São João, a V/B Galeria de Arte Contemporânea abre suas portas com a exposição Gênesis, com curadoria do galerista francês José Félix.

Com uma arquitetura marcada por traços retos e arrojados, o espaço foi idealizado por José como uma mudança de ares para o setor artístico da região. “Os artistas daqui da Chapada expõem em restaurante, em bares… É difícil ter uma direção. eu decidi criar esse espaço para ajudar artistas que estavam começando a fazer algo”, explica.

“Queria fazer um lugar moderno, para sair do caminho tradicional da arquitetura da Chapada, que é sempre muito ligado à madeira, ao estilo colonial”, diz, citando também como inspiração as galerias modernistas de San Francisco, na Califórnia, e São Paulo. Isso também guiou o estilo das obras expostas nas paredes da V/B – a coleção Gênesis foi assinada por diversos artistas como Muricy, Dida Murta e Rodrigo OMG, visando especificamente o espaço.

“A dois anos, conheci José em meio à pandemia”, conta Muricy. “E ao longo dos meses, eu fiz quatro obras na casa dele. Logo depois surgiu o convite para expor em uma galeria, mas eu não sabia que ela ainda seria construída. Aceitei de imediato, fiquei super feliz.  Uns seis meses depois, as ideias da galeria já estavam estruturadas, ele já tinha todo o projeto em mente”.

José e Muricy contam que o trabalho de curadoria e desenvolvimento das obras de Gênesis foram feitas em colaboração entre os artistas e o galerista, para criar uma experiência diferente dos outros espaços culturais da Chapada. Muricy explica também que essa parceria o fez amadurecer enquanto artista. Autodidata, ele se expressa em inúmeras linguagens, do grafite à espátula, e descreve a experiência da V/B como sua entrada para o universo da arte moderna.

Obra do artista Muricy, também exposta em Gênesis
Obra do artista Muricy, também exposta em Gênesis |  Foto: Coletivo-ELA | Divulgação
 

Inícios relacionados

Essa abertura se reflete também no próprio nome da exposição, que José descreve como “o começo de um caminho para colocar os artistas em um pedestal”. A isso, Muricy acrescenta: “é a primeira galeria em Campos de São João, e foi minha primeira exposição. Também foi a primeira de todos os artistas que participaram. Foram tantas coisas relacionadas a início que a gente resolveu colocar esse tema”.

No entanto, apesar da disruptura, a intenção não é rejeitar a atmosfera da Chapada, mas canalizá-la para um outro estilo. “A ideia era de misturar efetivamente essa arte urbana e moderna com alguns toques das raízes da Bahia. Tem telas que você vê pedaços de cobra, ou de tatu, uma cabeça de pássaro estilizada… Se você ver bem as telas, tem sempre algo que lembra a Chapada”, diz o francês.

“A gente sabe que todas as pessoas que vão à Chapada Diamantina estão em busca de ter esse contato mais forte com a natureza”, expande o pintor. “A arte também tá integrada a tudo isso. Visitei diversos lugares e é possível perceber que as pedras, a vegetação, as montanhas, a cor do céu, das águas, tudo tem um misto da arte. Tudo tem diversas formas e cores, e isso cativa a nossa mente a imaginar e interpretar esse universo da natureza e da arte, nos conecta bastante em uma visão mais artística.

“José, que também é arquiteto, resolveu colocar o urbano do nosso trabalho dentro da natureza. Ele queria que as pessoas tivessem uma experiência diferenciada. Geralmente, quem vai para esses ambientes da Chapada vê uma arte muito ligada e muito conectada ao local. Desde as mandalas, os trabalhos em pedra, as esculturas e trabalhos com semente. Já ele, queria algo mais desconectado do ambiente. Tem esse choque de realidade”, conclui.


Serviço

O quê: Gênesis - Exposição coletiva com cinco artistas: Muricy, Dida Murta, Marco Lima, Rodrigo OMG e Donato

Onde: V/B Galeria (Villa Barriguda, Campos de São João - Palmeiras, Chapada Diamantina)

Quando: Em cartaz até 11 de agosto

Entrada: Gratuita

Mais informações: instagram.com/vb_galeriadearte

*Sob supervisão do editor Chico Castro Jr.

Publicações relacionadas