Fotógrafa baiana Arlete Soares lança 1º romance ‘Sobre Helen’

O livro narra a história de uma mulher que que a influenciou muito e por quem tem uma admiração enorme

Publicado quinta-feira, 07 de abril de 2022 às 06:03 h | Atualizado em 06/04/2022, 21:51 | Autor: Eugênio Afonso
Arlete também é a idealizadora e uma das  fundadoras da lendária editora Corrupio
Arlete também é a idealizadora e uma das fundadoras da lendária editora Corrupio -

Baiana de Valença, a fotógrafa e editora Arlete Soares, 82, há tempos é uma importante fomentadora da cena artística e cultural que se desenvolve por essas plagas. Tem seis livros de fotografia publicados, foi a idealizadora e uma das fundadoras da Corrupio – editora criada em 1979 com o intuito inédito de publicar em português a obra do etnógrafo e fotógrafo francês Pierre Verger, e a primeira do Brasil dedicada às culturas negras – e agora está lançando seu primeiro romance.

Sobre Helen tem noite de autógrafos nesta quinta-feira, 6, a partir das 18h, no Espaço Oliveiras (rua Direita de Santo Antônio, 110), com projeção de curtas e exposição de artes gráficas.

O livro é uma bioficção baseada na história de amor entre Helen Edington e Manoel Andrade, que viveram em Valença no final do século 19 e começo do 20.

“Comecei a escrever a primeira versão do livro à mão, há mais de 20 anos. Ele brotou de minha imaginação. Ouvi algumas histórias dos velhos em Valença que não esqueciam daquela união entre uma jovem branca inglesa e um pescador negro. Essa história de rebeldia e paixão me fascinou e chegou o momento de publicá-la”, conta Arlete.

Helen é, na verdade, a avó materna de Arlete, uma mulher que ela nunca conheceu pessoalmente – nem mesmo através de fotos –, que morreu jovem, mas por quem a neta nutre uma admiração incomensurável. Então, a partir de memórias remotas, a autora idealizou um diário para essa avó inglesa.

A escritora confessa, inclusive, que fantasiou essa avó como milhares de mulheres que se recusam a seguir o comportamento padrão determinado pela sociedade e, por isso, enfrentam constantes preconceitos.

“Eu queria ser como ela, fora da margem. Identificava ela como uma cangaceira, uma Frida Kahlo, uma Madame Curie. Minha avó foi a influência mais forte que tive na vida. Então é uma conexão fora dos padrões normais e eu a cultuo até hoje. Estou muito contente em colocar em letras, em papel, essa mulher”, pontua Soares.

Prelo manual

Pensado e estruturado como uma obra artesanal, Sobre Helen foi todo feito a partir de processos manuais. Tem miolo com três cores impresso em serigrafia e encadernação manual com costura exposta na lombada, em um processo que nos remete a cadernos antigos.

Editado no Ateliê de Ofícios pelo artista visual, editor e serígrafo Flávio Oliveiras (morto de Covid ano passado) e pela arquiteta e designer editorial Cibele Bonfim, o livro tem ilustrações de Athos Sampaio com curadoria editorial da antropóloga Goli Guerreiro e da comunicóloga Lua Leça. 

Arlete revela que depois de mais de 40 anos como editora de livros industriais, percebeu que esse tipo de livro não é mais objeto de desejo. 

“As pessoas leem virtualmente e me pareceu que o processo artesanal, além de se encaixar muito bem numa história de amor antiga, também despertaria interesse pelo objeto artístico. Conheci Flávio e fiquei encantada com o talento e a sensibilidade daquele rapaz. Nossa história foi muito bonita. Uma velha editora passando o bastão para um jovem editor que trabalhava ao lado de sua companheira Cibele Bomfim, a quem muito me afeiçoei. Agora estamos juntas nesse lançamento que é mais uma homenagem a esse encontro tão fugaz e profundo”, relata a autora.

Para Cibele, fazer um livro artesanalmente não deixa de ser também uma atitude política. “Em tempos de velocidade, de gráfica digital, de virtualidade, a gente traz a experiência do fazer, do tempo lento, da impressão para a escala do corpo. A capa foi feita em tipografia, o miolo impresso em serigrafia e a costura, feita à mão”.

Inquieta e ativa

Com o tempo e o fechamento da Corrupio, em 2020, Arlete passou a se dedicar à preservação e catalogação de seu acervo no Instagram @acervoarletesoares. Para Goli Guerreiro, essa fotógrafa que captura imagens de Salvador há mais de 50 anos é uma mulher inquieta, provocadora.

“Arlete está sempre atenta à cena cultural de Salvador. Ela foi a peça fundamental da articulação do projeto Benin- Bahia (1986-88), no qual Lina Bo Bardi e Pierre Verger trabalharam juntos na criação de exposições sobre arte africana em São Paulo e, em Salvador, com a criação da Casa do Benin. Um projeto que reconectou os dois lados do Atlântico e dá frutos até hoje”, lembra Guerreiro.

Arlete é também uma precursora das editoras independentes na Bahia, segundo Cibele. “Ela ficou muito feliz em saber que Sobre Helen seria o primeiro livro do Ateliê de Ofícios, uma editora jovem de pessoas jovens. Para nós é uma honra publicar Arlete Soares”, comenta Bonfim.

Além do lançamento do livro, na noite desta quinta, o público também vai poder assistir aos curtas-metragens Sobre Helen - Fotobiografia Arlete Soares, de Goli Guerreiro e Laís Machado, e Carrego nas Mãos o meu Saber, dirigido por Marcelo Pinheiro.

“Convidamos a multiartista Laís Machado para editar dois curtas: uma fotobiografia de Arlete e um outro para divulgar a bioficção. Laís notou que as duas temáticas se fundiam e desenvolveu o argumento. Juntas, fizemos o roteiro e a curadoria das fotos”, detalha Goli sobre o audiovisual que produziu com Laís. 

Já Carrego nas Mãos... mostra a pesquisa de Flávio nos ofícios gráficos, o resgate dos fazeres manuais e tipográficos, além do legado que deixou no bairro do Santo Antônio – Centro Histórico de Salvador –, onde nasceu e se criou. E tem ainda a abertura da exposição FLOS: as artes gráficas de Flávio Oliveiras.


Serviço

O quê: Lançamento livro Sobre Helen

Quando: Quinta-feira, 7, a partir das 18h

Onde: Espaço Oliveiras (rua Direita de Santo Antônio, 110), Centro histórico de salvador

Publicações relacionadas