adblock ativo

Triunfo dá paz ao Bahia para encorpar time em hiato de jogos

Publicado quarta-feira, 21 de outubro de 2020 às 08:00 h | Atualizado em 20/10/2020, 23:20 | Autor: Rafael Tiago Nunes
Gilberto deu fim à má fase e agradeceu aos céus | Foto: Adilton Venegeroles | Ag. A TARDE | 19.10.2020
Gilberto deu fim à má fase e agradeceu aos céus | Foto: Adilton Venegeroles | Ag. A TARDE | 19.10.2020 -
adblock ativo

O triunfo por 3 a 1 em cima do poderoso Atlético Mineiro de Jorge Sampaoli, no estádio de Pituaçu, em jogo válido pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro, serviu como um verdadeiro exorcismo para o Bahia, com direito a agradecimento a Papai do Céu, desabafo e até mesmo um ‘vade retro, má fase’! E não poderia vir em momento melhor, já que o time só volta a campo no próximo dia 31, contra o Santos – o jogo com o Fortaleza, que seria nessa semana, foi adiado. Mesmo não jogando nesta rodada, o time não corre o risco de entrar na zona de rebaixamento.

Afora ter ganho uma sobrevida na luta contra o Z-4 e dez dias para ajustar o time, o Tricolor tem outros motivos para comemorar. E um deles foi o bico na má fase que Gilberto deu contra o Galo. Com os dois gols marcados, o atacante agora soma quatro tentos nos últimos seis jogos. Antes da partida contra o Botafogo, quando balançou as redes pela primeira vez neste Brasileirão, o camisa 9 vinha de um jejum de sete meses e 13 jogos.

Além disso, o futebol reativo e a expertise de Mano Menezes começaram a ganhar forma e aparecer nas partidas. Após um primeiro tempo no qual o time se dedicou a se defender, praticamente não passou do meio de campo e tentou suportar a pressão atleticana, o treinador mexeu na estrutura do time e acertou em cheio nas substituições. As ações foram fundamental para virar e vencer o embate contra um dos postulantes ao título nacional, o que ajuda a resgatar a confiança dos atletas.

Sem falar que o elenco mostrou mais tranquilidade, mesmo saindo atrás do placar, e acabou o jogo sem nenhum cartão vermelho. Quatro atletas já foram expulsos neste Brasileiro. Contra o Goiás, Rossi e Élber levaram o vermelho, assim como Mano Menezes e o auxiliar Sidnei Lobo.

Tranquilidade

Sair vencedor diante do Atlético-MG serviu não só para subir na tabela – o time ocupa agora a 12ª colocação, com 19 pontos –, mas também para dar mais tranquilidade ao treinador. Mano estava sendo muito questionado, já que o time não vinha apresentando um bom futebol ou mesmo conquistando os pontos necessários. Eram apenas dois triunfos em sete jogos.

Mas Gilberto saiu em defesa do novo chefe e aproveitou para dar uma alfinetada em Roger Machado e até mesmo no torcedor, isso logo após o apito final. “A gente acabou mudando um pouco, porque parte da imprensa e o torcedor queria que a gente jogasse bonito. Nosso time foi moldado para jogar bonito, mas não encaixou. A gente já vinha de um processo de marcar bem, fortalecendo o meio e saindo bem no contra-ataque. Hoje o Bahia tem uma identidade, não dá para querer mudar uma identidade. O torcedor, se quiser jogo bonito, pense duas vezes. Nosso Bahia é um time vibrante. De hoje em diante, venha com a gente, porque, com esse elenco e esse clube, a gente vai subir na tabela”, falou.

Com um ambiente mais tranquilo e com dez dias até o próximo confronto, Mano Menezes finalmente terá tempo e paz para ajustar o elenco para a sequência da competição. Quem sabe até mesmo para trazer os dois ou três reforços pedidos por ele e já citados publicamente – sem revelar os nomes – pelo presidente Guilherme Bellintani.

adblock ativo

Publicações relacionadas